O Festival da Lua Verde no Arquipélago de San Andrés e Providencia

festival da lua verde
“Um abraço fraterno em forma de raça e cultura”. Com este lema positivo iniciou sua jornada em 1987 a Festival da Lua Verde, o Festival da Lua Verde que desde então é comemorado todos os anos no Ilha de San Andrés, em pleno Caribe colombiano.

Este festival tem como objetivo preservar e homenagear o Legado cultural afro-caribenho através de várias expressões artísticas. E embora a música seja a grande e indiscutível protagonista, outras manifestações como a gastronomia, a religião, o cinema ou o esporte não ficam de fora.

O povo raizal

Dentro do enorme diversidade cultural da colômbia, existe um povo anglófono de raízes afro-caribenhas que ocupa um espaço geográfico específico: o Arquipélago de San Andrés, Providencia e Santa Catalina, localizada a mais de 750 quilômetros ao norte da costa atlântica colombiana. É a aldeia Raizal.

Em um território insular de apenas 52 quilômetros quadrados, vivem cerca de 78.000 habitantes, dos quais cerca de 30.000 pertencem à etnia Raizal.

praias de San Andrés Colômbia

A ilha de San Andrés é um importante destino turístico do Caribe colombiano

Os Raizales não têm o espanhol como língua materna, mas sim uma língua crioula com raízes inglesas conhecida como Crioulo sanandresano. Este link, o crioulo, é o que conecta os Raizales com o resto dos povos afro-americanos do Caribe anglófono. Desde 1987, todos eles se reúnem todos os anos no Festival da Lua Verde para celebrar essa identidade comum.

História do Festival da Lua Verde

O embrião de Festival da Lua Verde como o conhecemos hoje, é um evento anterior chamado Feira de idiomas (feira de línguas), que começou a ser organizada em San Andrés na década de 80 para promover a cultura e a língua crioula entre os jovens da ilha.

A ideia de um festival maior com vocação internacional finalmente se cristalizou em 21 de maio de 1987, graças ao esforço de um grupo de gestores culturais que contou com o apoio do então prefeito. Simon Gonzalez Restrepo. A primeira edição do Festival Lua Verde teve uma exibição modesta, embora seu impacto tenha sido enorme.

Assim, as edições subsequentes tiveram muito mais participantes. O pequeno arquipélago ficou lotado de visitantes e o evento atraiu a atenção de diversos veículos de comunicação, o que contribuiu para a divulgação do projeto na Colômbia e nos países do Caribe. O Fundação Lua Verde para gerir toda a organização deste festival.

Entre 1996 e 2011, o Festival da Lua Verde deixou de ser organizado por falta de meios, não de seguidores. Este parêntese temporário corresponde os anos em que a Nicarágua e a Colômbia tiveram um sério conflito diplomático pela soberania deste território. A disputa foi resolvida pelo Tribunal Internacional de Haia em 2012 em favor do lado colombiano.

Felizmente, o projeto conseguiu ser recuperado em 2012. Desde então, o festival tem sido realizado sem interrupção, colhendo cada vez mais sucesso.

Musica e cultura

O evento anual Green Moon Festival inclui inúmeras atividades acadêmicas e criativas organizado com o objetivo de motivar crianças e adolescentes a conhecer as raízes da cultura afro-americana e a tradição dos indígenas do arquipélago de San Andrés, Providencia e Santa Catalina. Também há espaço para competições esportivas o campeonatos de dominó, um jogo muito popular em todo o Caribe. Essas atividades ocupam as horas do dia, enquanto a noite é reservada à música.

Grupos musicais de vários países (frequentemente frequentam bandas do Reino Unido e também artistas de países africanos) enchem de ritmo e cor as praças e praias da ilha. A noite caribenha está inundada com reggae, dancehall, konpa haitiano, zouk, soca, calipso, salsa e merengue, bem como ritmos cubanos e africanos.

Neste vídeo reflete muito bem como o Festival da Lua Verde é vivido e desenvolvido. Nesta época do ano, a ilha de San Andrés se torna a capital do Caribe e da música afro-americana:

Entre os artistas mais famosos que passaram por este festival estão os jamaicanos Panelinha e o panamenho Rubén Blades, Entre muitos outros.

Além de shows e festas, desde 2018 um evento paralelo denominado Cenário de bastidores para o futuro Caribe. Na verdade, é um programa que reúne jovens músicos e aprendizes da Jamaica, Cuba, San Andrés e outros lugares do Caribe. Todos eles têm a oportunidade de receber formação contínua na produção de manifestações artísticas e culturais.

Para finalizar, é justo dizer que, por mais que seja um evento voltado para a cultura crioulo, o Festival da Lua Verde está aberto a todos. Na verdade, recebe visitantes de todas as raças e de lugares muito diferentes.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1.   sareth mariana rodriguez ochoa dito

    porque foi feito