O dracma, a moeda grega antes do euro

Você já ouviu falar do dracma? Claro que sim, especialmente se você tem mais de 30 anos e mora na Europa. O dracma foi uma moeda utilizada várias vezes na Grécia, até a chegada do euro, em 2001. Tem uma história muito longa e interessante e deve ser uma das moedas mais antigas do mundo, por isso hoje vamos conhecer alguns capítulos desta jornada.

O dracma remonta a milhares de anos, mas não se confunda, pois não tem sido usado continuamente. Isso sim, da primeira metade do século XNUMX, três versões modernas do dracma surgiram no país, até que finalmente a Grécia aderiu à União Européia e passou a dividir moeda com os demais países do bloco.

O antigo dracma

Podemos dividir a história do dracma em dois, o dracma nos tempos antigos e o dracma moderno. De onde vem o nome? Parece que o próprio nome da moeda tem a ver com o que pode ser segurado na mão, drossomai, ou pelo menos isso sugere algumas inscrições em tabuinhas antigas, do ano 1100 aC, que se referem a um punhado de seis hastes de metal (cobre, bronze ou ferro), chamadas por sua vez obólio.

Tempo depois tornou-se o padrão de prata para a maioria das moedas cunhadas pelos antigos gregos. Posteriormente, cada moeda teve seu próprio nome dependendo se era em Atenas ou Corinto, por exemplo. Sim, cada cidade tinha sua moeda com seu próprio símbolo e a equivalência entre eles foi dada pela quantidade e qualidade do metal com o qual eles foram feitos.

Entre as cidades antigas que usavam dracma estão Alexandria, Corinto, Éfeso, Kos, Naxos, Esparta, Siracusa, Tróia e Atenas, entre muitos outros. Em algum ponto do século XNUMX aC, a moeda ateniense conhecida como as quatro dracmas era amplamente conhecida e usada. Estamos falando de antes de Alexandre, o Grande.

A dracma era cunhada com pesos diferentes, dependendo da casa da moeda que participava do processo. O padrãor, porém, que acabou se popularizando, foi o de 4.3 gramas, usado mais na Ática e em Atenas.

Mais adiante, de mãos dadas com as vitórias e conquistas de Alexandre, o Grande, o dracma cruzou as fronteiras e foi usado em vários reinos helênicos. Na verdade, sabe-se que a moeda árabe, a dirham, recebe o nome do dracma. A mesma é a moeda da Armênia, o dracma.

Embora saber hoje o valor do dracma antigo seja muito difícil (comércio, mercadoria, economia não são os mesmos), alguns se arriscam e dizem que Um dracma do século 46.50 aC custaria cerca de US $ 2015 no valor de XNUMX. Além disso, a verdade é que, mesmo com as moedas atuais, os mesmos dracmas nem sempre eram necessários para viver ou sustentar uma família.

Frações e múltiplos do dracma também foram cunhados em muitos estados. Por exemplo, no Egito dos Ptolomeus havia pentadracmas y octadracmas. Assim, em resumo, podemos dizer que o peso da antiga dracma de prata girava em torno de 4.3 gramas (embora variasse de cidade-estado para cidade-estado). Por sua vez, foi dividido em seis obóis de 0.72 gramas, subdivididos por sua vez em quatro pequenas moedas de 0.18 gramas e entre 5 e 7 milímetros de diâmetro.

O dracma moderno

O velho dracma, com seu grande e poderoso nome, foi reintroduzido na vida grega na primeira metade do século 1832, em XNUMX, logo após a fundação do estado. Foi dividido em 100 lepta, alguns de cobre e outros de prata, e havia uma moeda de ouro de 20 dracmas com 5.8 gramas deste metal precioso.

Em 1868, a Grécia se junta à União Monetária Latina, sistema que unificou várias moedas europeias numa só, utilizado pelos países membros, e que vigorou até 1927. Desde que passou a fazer parte do grupo o dracma tornou-se equivalente em peso e valor ao franco francês.

Mas essa União Monetária Latina desabou na Primeira Guerra e depois desse confronto, na Nova República Helena, outras novas moedas foram cunhadas. E o que aconteceu com os ingressos? Notas de banco emitidas pelo Banco Nacional da Grécia circulou entre 1841 e 1928 e o Banco da Grécia continuou a fazê-lo de 1928 a 2001 momento em que o euro entra em cena.

Mas o que havia no século XNUMX antes do dracma? Uma moeda chamada Fénix, que foi introduzido logo após o país se tornar independente do Império Otomano. É em 1832 que a fênix é substituída pela dracma adornada com a efígie do rei Oto da Grécia, o primeiro rei grego moderno.

Como costuma acontecer quando há inflação, e a Grécia tem uma história econômica bastante movimentada, Ao longo do século XNUMX, surgiram notas com denominações cada vez maioress. Especialmente em tempos de ocupação nazista na segunda guerra mundial.

Mas continuando com a história desta famosa moeda, podemos falar sobre um segundo dracma moderno que aparece precisamente após a queda dos nazistas. Com a Grécia libertada, a inflação é galopante e apenas papel-moeda é cunhado, em números crescentes.

Na década de 50, entramos em um terceiro período do dracma moderno, houve uma desvalorização e valorização da moeda e as letras de menor valor foram fora de circulação. A taxa de câmbio permaneceu na taxa de 30 dracmas por dólar até 1973. Se temos memória, é mais ou menos por aí que ocorre a Crise do Petróleo e a situação financeira começa a mudar, não só na Grécia mas em todo o mundo.

Pouco a pouco, mais e mais dracmas eram necessários para comprar um dólar e então chegamos a 2001, quando a Grécia adere à União Europeia e a dracma deixa de circular, suplantada pelo euro.

A história continua, o mundo continua a enfrentar crises, sindicatos e desunião, o dólar reina, o euro compete, o yuan brilha cada vez mais, então ninguém pode garantir que um dia a União Europeia não se dissolverá e o dracma fará o seu retorno. aparecimento na Grécia. Você que acha?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

bool (verdadeiro)