Educação infantil ateniense

educação-atenas

Cada vez que olhamos para o Grécia clássica inevitavelmente encontramos a comparação e oposição entre Atenas e Esparta. Isso também acontece na educação: Educação ateniense contra la educação espartana.

Havia grandes diferenças entre as duas cidades-estados. A Esparta a educação dos jovens, chamada Agoge, correu no comando do estado. O único propósito disso era treinar crianças como futuros soldados. Em Atenas, no entanto, a educação era privada e ele tinha uma visão mais global, embora pudesse haver diferenças de acordo com cada professor. Em todo caso, a ideia geral era que as crianças cultivam tanto o corpo quanto o intelecto. Nos parágrafos a seguir, explicaremos por que essa abordagem.

Em primeiro lugar, deve-se notar que apenas as crianças tiveram acesso a esta educação. As meninas foram relegadas para casa, onde foram ensinadas pelas mulheres do gineceu. O objetivo era que essas jovens atenienses se tornassem boas mães e donas de casa na vida adulta. Exceto por pequenas diferenças, isso era comum em todas as cidades gregas.

A paideia

O sistema educacional da Atenas clássica era conhecido como Paidéia. De modo geral, o objetivo dessa educação era permitir que os filhos do sexo masculino atingissem um estado moral superior. Em um nível mais pragmático, o objetivo era fornecer à sociedade homens bem preparados para arcar com os fardos políticos e militares que teriam de enfrentar como cidadãos na idade adulta.

Estátua de Sócrates

Sócrates educou muitos jovens da aristocracia ateniense até ser condenado à morte sob a acusação de corromper a juventude.

O espírito da Paideia assentava em quatro pilares o calakogatia:

  • Beleza física por meio de cuidados pessoais e exercícios.
  • Dignidade moral, para distinguir o bem do mal.
  • Sabedoria, adquirida por meio do conhecimento.
  • Coragem, qualidade essencial para usar bem os três anteriores.

Até os sete anos, meninos e meninas compartilhavam ensinamentos básicos, uma série de valores e modelos de comportamento que as babás e escravas encarregadas de seus cuidados transmitiam aos pequenos por meio da tradição oral: mitos, poemas, homéricos, histórias de heróis, etc. Famílias ricas tinham um escravo culto chamado pedagogo, que costumava ser responsável por essas tarefas.

Estágios da educação ateniense

La segregação foi produzido ao atingir a idade de sete anos. Em seguida, os meninos começaram sua carreira formativa na escola pública ou didascaleo. Há o gramáticas Ensinou-os a ler e escrever, além de introduzi-los nos conceitos básicos da matemática. Os alunos se sentaram em bancos e usaram pranchas de cera e papiros para fazer o dever de casa. O castigo físico era comum e bem considerado. A formação musical, presente em todas as etapas, foi uma das disciplinas fundamentais. O professor responsável por este assunto era conhecido como kitaristas.

A partir dos 12 anos, as crianças foram iniciadas nos esportes: luta livre, salto, corrida, arremesso, natação ... As crianças passaram muitas horas no ginásio, mas também praticavam muito exercício ao ar livre, sempre totalmente nus e sob a supervisão do Payotribes. A importância dos esportes era tamanha que, com o tempo, as escolas de filosofia ficaram conhecidas como ginásios.

Quando completaram 18 anos, os jovens tornaram-se efebos. O efebia durou dois anos e foi a etapa mais importante na formação dos jovens atenienses. Durante esse período, eles foram treinados na arte da guerra (treinamento militar) e ensinados a se tornarem cidadãos responsáveis, bons oradores e gestores públicos eficazes.

Educação de Alexandre o Grande

Aristóteles (professor) e Alexandre (aluno) em uma gravura do século XIX.

Os jovens das famílias mais ricas ampliaram sua educação para além dos 21 anos nas mãos de filósofos e professores de prestígio. Um caso bem conhecido é o dos jovens Alexandre, o Grande, cuja educação em Atenas foi realizada pela própria Aristóteles.

Um aspecto polêmico da educação ateniense (e da educação grega em geral) foi a tendência de se desenvolverem relações íntimas entre um professor adulto e um aluno adolescente. Às vezes, essas relações assumiam um aspecto nitidamente sexual, o que era socialmente aceito.

Os sofistas e a educação ateniense

Além do esporte, das artes militares e da música, na educação das crianças e jovens atenienses havia certos assuntos ou assuntos que eram de suma importância para a formação dos futuros cidadãos da pólis. Essas matérias foram ensinadas pelo sofistas aos alunos que optaram pelo ensino superior após a fase efêbia.

Quem eram os sofistas? Professores basicamente gerais do ensino superior. Seus ensinamentos foram orientados para um objetivo específico: a formação de oradores instruídos e eloqüentes. Essas qualidades foram essenciais para o sucesso na vida política, onde muitas decisões dependiam da capacidade dos palestrantes de convencer os cidadãos de uma ideia ou outra.

Este objetivo foi alcançado através da formação de alunos nas seguintes disciplinas:

  • Dialética, também conhecida como "a arte da discussão". Os professores treinavam seus alunos ensinando-os a fazer dois discursos nos quais uma ideia e a outra eram defendidas.
  • Mathemata, assunto que incluía, entre outras coisas, aritmética, geometria, harmonia e astronomia.
  • Retórica, "A arte de falar." Lees foi instruído sobre a habilidade de persuadir o público por meio da palavra.

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

3 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1.   solidão dito

    Isso é muito para mim !!!
    MUITO OBRIGADO !! ♥♥♥

  2.   Maria Paula dito

    Isso é bom !! .. Muito obrigado !!! 😀

  3.   pablo dito

    este para a cauda eles cabem giles hahahahaha